Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Regresso a Couchel - Blogue

Aqui confirmamos sempre se não estamos enganados nem a enganar ninguém

Regresso a Couchel - Blogue

Aqui confirmamos sempre se não estamos enganados nem a enganar ninguém

PASSOU-SE EM COUCHEL

PASSOU-SE EM COUCHEL

(O grilo e a pirilampa)
Um grilo tinha uma tara por pirilampas. Via uma luzinha a piscar, não resistia, saltava-lhe para cima. Domingo, noite de Verão, passeava na frescura da Quelha do Valezinho, viu um tremelicar na vereda para a Eira dos Santinhos. Aproximou-se sorrateiramente, por trás, pé ante pé…
ERA UMA BEATA… FICOU TODO QUEIMADINHO
Aniceto Carvalho

A junta de bois

(12)carro-de-bois3 (1).jpg

A JUNTA DE BOIS

A minha terra não é região de gado cavalar. Nem pouco mais ou menos.

Lembro-me do Ti António Henriques, numa égua lazarenta a cair de velha que mal podia com a sela, (o Ti António Henriques pesava mais de cem quilos, o pobre animal morreu pouco depois), e da pileca do Doutor Sanches da Gama, mais ou menos o Rocinante do Dom Quixote.

Mais nada. Os caminhos e a agricultura da região não eram para carroças, ter um muar só para ir daqui para ali não fazia parte da vida dos habitantes de entre o Ceira e o Mondego.

Do preço de uma das mais sofisticadas alfaias da actualidade, a junta de bois contudo, era muito mais que isso, muito mais que uma qualquer máquina por muito que esta superasse o trabalho dos animais. A junta de bois não era uma máquina que se deixava parada no telheiro, que no dia seguinte se acionava um interruptor e a vida continuava. Não. Tratar da junta de bois faz parte das obrigações familiares: Noite dentro, depois do serão, os animais têm de ser "visitados", é preciso chegar-lhes a água, arranjar-lhe a cama e aconchegar-lhe a manjedoura.

Uma  junta de bois faz parte da família.

NA ESCOLA DE VALE VAZ - PRIMEIROS TEMPOS. (42/43)

"O boi é mais elegante e airoso que o cavalo" - respondi eu.

A minha professora da primeira ou segunda classe olhou para mim lá do alto, gozou com a meu gosto duvidoso. Mas não me perguntou o porquê  da minha apreciação.

Não perguntou. Se tivesse perguntado, eu tinha respondido:

- Porque os bois fartam-se de trabalhar e os cavalos não fazem nenhum.

Pelos vistos, já na altura eu achava que trabalho e penacho eram coisas diferentes.

Aniceto Carvalho 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D