Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Regresso a Couchel - Blogue

Aqui confirmamos sempre se não estamos enganados nem a enganar ninguém

Regresso a Couchel - Blogue

Aqui confirmamos sempre se não estamos enganados nem a enganar ninguém

RIBEIRA DE VILA CHÃ

RIBEIRA DE VILA CHÃ
Marginada pela Ribeira de Vila Chã em aproximadamente metade da sua periferia, a “Ribeira” era uma terra de regadio moderado, com uma larga leira de cultura de milho, a outra metade de sequeiro... um corrimão de videiras rodeava toda a propriedade, um outro atravessava-a diametralmente entre os dois extremos mais distantes.
A Ribeira era os olhos da cara do meu avô. Não só dele. Num poço mais ou menos a meio do percurso da Ribeira de Vila Chã em redor da propriedade, ficaram-me lá baldes de suor a tirar toneladas de água à picota, (burro, na minha terra), nos meus dezassete anos, e o sabor de enguias fritas, “pescadas” numa das limpezas ao poço ainda nos meus anos de escola.
Uma terra espectacular: Milho, abóboras, melões, feijão… na leira do outro lado, três ou quatro robustas oliveiras, leguminosas a azotar a terra: tremoços, grão de bico…

Vinha o tempo da colheita.
O meu avõ instalava taipais no carro de bois, enchia-o de espigas de milho; por cima acrescentava molhos de tremoceiros a chocalhar, abóboras, cebolas penduradas nos fueiros, cabaças, pernadas de macieira aqui e ali.
O sacrifício dos animais na subida para Couchel não era o espectáculo mais bonito de se ver… contudo, perante uma aldeia embasbacada à obra de arte do meu avô a Joana Vasconcelos não tinha qualquer hipótese.

(12)carro-de-bois3 (3).jpg

Aniceto Carvalho

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D